Cresce adesão a demissões voluntárias entre trabalhadores CLT

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Funcionários buscam maior compatibilidade entre a atividade exercida e a vida pessoal, bem como ter maior flexibilidade de horário

Os formatos de trabalho têm mudado nos últimos tempos e ganhado novas configurações. A possibilidade de gerir o próprio negócio e ter mais flexibilidade de horário são atrativos que fazem alguns brasileiros deixarem o regime CLT. Esse é o caso da psicóloga Mariana Torres que, em 2018, saiu do com carteira assinada. Além de considerar que o antigo trabalho tinha uma liderança tóxica, ela queria tocar um projeto pessoal. “Eu vou ter que escolher se eu vou continuar na CLT ou se eu vou empreender. Paralelo a isso, eu tive uma liderança tóxica. Então eu passei o ano de 2018 reclamando. E quando a gente está passando por essa situação, a gente não percebe. Mas a gente é que tem que fazer alguma coisa, a gente não manda nosso chefe embora, então a gente é que tem que sair”, conta ela.

Segundo dados do CAGED, em 2022, um terço dos desligamentos foi feito de forma voluntária, partindo do próprio funcionário. 40% desses trabalhadores saíram por falta de compatibilidade entre o emprego e a vida pessoal. Neste cenário de mudanças tem um modelo de demissão que pode ser bom tanto para a empresa quanto para o funcionário, o programa de demissão voluntária. Nesse formato é feito um acordo entre empresa e empregado, estabelecendo um pacote de benefícios ao trabalhador. O programa pode ser benéfico para as empresas que estão passando por crises ou fazendo uma reestruturação. Como também para os funcionários que já não estão mais satisfeitos. As empresas devem, portanto, realizar um acordo dentro da lei. E não podem, por exemplo, coagir um trabalhador a aderir ao programa. “Empregador não pode impor nada para o trabalhador. As regras para isso ter validade e para que tenha segurança jurídica, a empresa precisa deixar as regras bem claras, dar um prazo para os trabalhadores aderirem. Aqueles que aderirem, beleza. Quem não quiser também, não vai ter punição, não vai ter qualquer represália. Ou seja, o que a Justiça do Trabalho olha em planos de demissão voluntárias, são os princípios da boa fé e da transparência”, explica especialista.

Quando a psicóloga Mariana Torres deixou o regime CLT foi através desse programa. “Para mim, que já estava querendo sair, foi o suficiente. Eu fiquei muito feliz com aquela possibilidade, estarei deixando as portas abertas, eu acho que isso também foi importante para mim, e saí recebendo aqueles oito anos que eu tinha na empresa”, relembra. Segundo a empresa de consultoria LCA, de novembro de 2021 a novembro de 2022, foram mais de 6 milhões de demissões voluntárias no país.

Fonte: Jovem Pan

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *